Rua das Crianças

Brincadeiras, acessibilidade e incentivo à leitura na 46ª Feira do Livro

Arte e cultura para o público infantil é sucesso em mais uma edição do evento.

Foto: Fernando Halal/Secom
Crianças assistindo a show no palco da Rua das Crianças

Nesta edição da Feira do Livro, a Rua das Crianças, ambiente de atividades culturais para o público infantil, conta com estandes já tradicionais e também traz novidades. Uma delas é a Trupe Bugigang de Contadores de História, projeto desenvolvido pelos professores do curso de Arqueologia, Artur Henrique Franco Barcelos e Adriana Fraga da Silva – autores do primeiro livro infantil impresso pela Editora da FURG (Edgraf) “Lulu e a Lua”. O livro conta a história de uma menina negra que sonha em se aventurar na lua.

Notícias Relacionadas

Não há notícias relacionadas a este assunto

Para Cristiane Feltrin, de Santa Maria, mãe da Julia, 17, e do Augusto, 7, a Feira do Livro da FURG traz uma junção sadia de incentivo à leitura e de atividade lúdica. “Eu gosto [da feira] porque tem atividade pra toda faixa etária. E eles vão se adequando conforme a faixa etária. Tem a parte lúdica e tem a parte do livro”, disse.

Caic

A conhecida participação do Centro de Atenção Integral à Criança e ao Adolescente (Caic) na Feira do Livro e em especial na Rua das Crianças chama atenção de quem visita a feira. Na 46ª edição não tem sido diferente. Entre atrações que agradam as crianças e os adultos, a equipe do Caic preparou atividades com um ritmo diferente esse ano. Isso porque essa edição da feira, além de marcar os 50 anos da universidade, dá início às comemorações dos 25 anos da escola.

Segundo a diretora da escola, Liane Marques, a proposta foi contar um pouco da história do Caic na Feira do Livro. “A gente manteve os espaços de leitura mas tem todo um resgate da nossa memória. A gente reviu a nossa história, nossos diretores, nossos projetos”, explicou. O mural que traz a história do Caic está presente no ambiente. Além disso, a programação contou com atividades presentes na última Festa Literária do Caic (Flic). “A nossa festa literária que acontece no meio do ano se alimenta da Feira do livro e retroalimenta a feira. Esse é o movimento. Então a gente inicia a nossa comemoração aqui. É um espaço de leitura. E a nossa proposta é sempre o incentivo à leitura”.

Ceamecim

A exposição “Uma Aventura pelo Corpo Humano” promovida pelo Centro de Educação Ambiental, Ciências e Matemática (Ceamecim) também se fez presente nesta edição da feira. Com o objetivo de mostrar o corpo humano trabalhando de forma integrada, os monitores do Ceamecim apresentam situações cotidianas que acontecem dentro do corpo de meninos, meninas, homens e mulheres, além de explicar de forma didática como acontece a concepção de um bebê e outras aventuras do corpo humano. “Nós abordamos coisas necessárias, principalmente pros jovens, que são as doenças sexualmente transmissíveis, métodos contraceptivos. E dependendo do público, a gente faz uma abordagem diferenciada” explica Fabiane Branco, coordenadora do projeto.

Neai e Brinquedoteca

Acessibilidade. Essa é a palavra que resume a participação do Núcleo de Estudos e Ações Inclusivas (Neai) na Feira do Livro. Oficinas de acessibilidade com a proposta de sensibilizar a população que participa da feira chama atenção dos pequenos e pequenas na Rua das Crianças. Cadeira de rodas, venda nos olhos, máquina de Braile – sistema de escrita para cegos – a oportunidade de, mesmo que por poucos minutos, se colocar no lugar do outro. “Acreditamos que com essas oficinas as pessoas conseguem ampliar um pouco a sua visão de como o outro vive com aquela deficiência”, explica Thays Votto, psicóloga voluntária do projeto.

Mas a participação do Neai não para por aí. Quem já visitou a Rua das Crianças com certeza já viu a movimentação e brincadeiras dos visitantes da Feira do Livro. Com a Brinquedoteca, é possível a participação em atividades que pode até parecer que não passam de diversão, mas estão desenvolvendo várias funções cognitivas da criança. É o que explica a coordenação do projeto. “Tem jogos diversos que estimulam o raciocínio lógico, estimulam atenção, a percepção da criança pra aquilo que ela tá fazendo. Várias questões são desenvolvidas pela criança quando ela tá brincando. Tem muita coisa por trás desse brincar”.

Nema

O espaço do Nema, Organização Não Governamental (ONG) do Cassino, é focado no projeto Pinípedes do Sul, de preservação dos Leões e Lobos marinhos. O projeto conta com várias atividades de preservação, como o monitoramento de praias e a educação ambiental. No estande, os visitantes podem confeccionar animais de argila com formas de silicone. Adesivos e cadernos são distribuídos no espaço para promover a educação ambiental. É o segundo ano que a ONG participa da Feira do Livro da FURG.

Nepe/Ateliê da Infância

O Núcleo de Estudo e Pesquisa em Educação da Infância (Nepe), que desenvolve ações com o objetivo de contribuir com temáticas relativas às infâncias e à educação Infantil, traz para a Feira do Livro o Ateliê da Infância. O espaço é uma das ações itinerantes do projeto, que tem como objetivo oportunizar um ambiente de brincadeiras para as crianças pensando nas múltiplas linguagens e ações de formação de professores, tendo como temática a educação infantil. Conforme explica Maria Renata Mota, uma das coordenadoras do projeto, a composição do Ateliê da Infância são as brincadeiras e as expressões por meio das múltiplas linguagens. “A gente percebe a importância das crianças estarem em contato e estarem sendo desafiadas pelas diversas formas de expressão que o Ateliê oportuniza. A gente precisa oportunizar que elas se expressem de diversas formas”, conta.

Na FURG, o Ateliê da Infância está localizado no anexo do pavilhão 4 no Campus Carreiros e atende diversas escolas do município.

Semente Olímpica

A escola de incentivo ao esporte Semente Olímpica trouxe o espetáculo de técnica circense ao palco da Rua das Crianças. Uma mostra do trabalho realizado durante o ano no grupo, que tem ensaios duas vezes na semana com aparelhos, tecidos acrobáticos e malabares. A escola, que completou 25 anos em maio passado, tem como objetivo a inclusão e socialização das crianças por meio da iniciação esportiva. Já passaram 17 mil crianças pelas oficinas da Semente Olímpica.

Sem a pressão da competitividade, as oficinas promovem o ensino de valores de forma lúdica com o apoio da psicologia aplicada ao esporte. A psicóloga Carolina França explica como os projetos desenvolvidos ajudam a promover a saúde e aproximar as famílias por meio de dinâmicas e gincanas. O diretor da instituição, Denis Ribeiro França, completa: “A parceria entre a FURG e a Semente Olímpica completa o trabalho de iniciação esportiva, trazendo o viés de formação ao invés da competição”. É o segundo ano que a escola participa da Feira do Livro da FURG.

STE S/A

No estande da equipe de Gestão Ambiental da empresa STE S/A, responsável pela duplicação da BR-116/392, uma exposição de animais silvestres taxidermizados nativos do sul chama a atenção. Eles estão acompanhados de ervas da região e de uma exposição de fotos da fauna e da flora nativas. A equipe faz um trabalho de educação ambiental nas comunidades próximas à obra de duplicação com jogos, histórias em quadrinhos e vídeos das armadilhas fotográficas montadas para realizar o monitoramento de fauna.

O trabalho de educação ambiental se estende com o espetáculo Canções dos Bichos: Rock & Natureza, uma atividade dentro dos projetos de comunicação social da duplicação da estrada. A equipe multidisciplinar do projeto, que conta com biólogos, jornalistas, psicólogos, entre outros profissionais, criou o Rock dos Bichos para apresentar informações técnicas de forma lúdica e divertida através das letras e estilos musicais. O projeto faz apresentações em escolas, seminários e eventos, conta o vocalista do Rock dos Bichos, Solano Ferreira. O músico participa pela segunda vez da Feira do Livro da FURG, nesse projeto com a universidade, que resultou em um show para escolas parceiras.

 

Galeria

Show no palco da Rua das Crianças

Rua das Crianças é um espaço de brincadeiras e acessibilidade na feira

Fernando Halal/Secom